Buscar

INTIMIDADE, A MÃE INTERNA E O MASCULINO DESPERTADO - por Bethany Webster

Todos os relacionamentos começam e terminam na separação, exceto pelo relacionamento com nossas mães, que começou em uma unidade; em uma identidade fundida. Quaisquer déficits que sentimos nesse relacionamento primário, naturalmente, são projetados para fora em outras pessoas ou situações. A impressão do anexo naquela díada primária torna-se a lente através da qual vemos todas as relações subsequentes.


Uma das principais tarefas no processo de cura da ferida da mãe é identificar nosso "fosso materno" e conscientemente preencher essa lacuna. Nos nutrir de dentro de nós mesmos, ao invés de pedir inconscientemente aos outros que façam isso por nós.


Nossas parcerias românticas podem servir como potentes laboratórios para transformar as narrativas limitantes de nossa infância. A fase inicial do romance pode redespertar o sonho de infância da "mãe inesgotável" com a sensação de mistura, pertencimento, maravilha e sensação de regresso à casa. Com o tempo as falhas e limitações de nossos parceiros podem redespertar o sofrimento sobre a perda desse sonho de infância. Essa sensação de perda pode desencadear a experiência do "buraco negro" da ferida da mãe - a impotência de sentir-se sozinha como uma criança, com a dor insustentável, o terror e a inquietação.


Quando éramos crianças, precisávamos proteger-nos da dor preenchendo a lacuna com mecanismos de enfrentamento, para sobreviver. Mas agora, como adultos, senti-la completamente é exatamente o que precisa acontecer para transformá-la. Em outras palavras, crianças sentem o vazio da ferida da mãe como ‘dor de morte’, e quando adultos precisamos estar presentes através dessa dor, sem evitar vivê-la verdadeiramente.

A chave aqui é permanecer presente com seu filho interno no vazio do fosso da mãe, sem evitar ou preenchê-lo com atividades em excesso.


Quando nosso vínculo de adesão com nossas mães foi forjado em algum grau de trauma, podemos inconscientemente buscar anexos que reflitam aquele trauma original. Transformar a mãe interna é o que interrompe esse padrão e possibilita uma ligação nova e saudável.


Nossa lacuna materna pode ser desencadeada por gatilhos negativos ou desencadeantes positivos. Os gatilhos negativos são quando as situações o lembram da dor emocional que você experimentou quando criança. E os desencadeantes positivos são quando alguém lhe dá mais amor, carinho ou respeito do que você já experimentou. Qualquer gatilho pode provocar o sofrimento sobre esse déficit original em se autonutrir. Os gatilhos também podem desencadear ‘sentimentos de anexo’ projetando a carência para pessoas externas. O desafio é ficar com você mesmo conscientemente na lacuna, ao invés de evitar o sofrimento e fixar uma pessoa externa como a "nova mãe".


A chave é conscientemente experimentar essa sobrável insuficiência que você sentiu como uma criança e afirmar seu valor em face desse vazio profundo. Dessa forma você permanece carinhosamente presente nesse vazio e não cai em padrões de compensação, como o excesso de atividades ou a evasão.


Não preencher o vazio com qualquer coisa externa pode ser insuportável, como a necessidade de um medicamento. Isso é porque reflete aquela inquietação original que podemos ter sentido como crianças, quando o contato com a mãe era literalmente vida ou morte. Ao longo do caminho, seremos testados em nossa maternidade interior. Com cada teste, nos tornamos mais habilidosos como mães internas - em ‘ser’ um espaço dentro - onde nossa própria crianca pode desmoronar em um estado de desorganização bagunçada (incluindo aflição, tristeza, confusão, medo etc...) e se juntar em uma nova formação como um novo Ser, reemergindo com energias totalmente ativadas e mais incorporadas que antes.


A mãe interior torna-se um espaço onde podemos morrer constantemente e recomeçar. Com cada toque na espiral de crescimento, podemos nos tornar mais capacitados para transmutar níveis mais profundos de dor na consciência, ativando nossos potenciais e dons espirituais. Se avançarmos profundamente no buraco negro da ferida da mãe, podemos sentir vontade de entrar em uma queda vertical que pode nos catapultar a subir para níveis de energia cada vez maiores, à medida que os integramos.


Sua evolução depende de quão profundamente você se permite processar conscientemente essa dor original. O apoio é essencial.


Há um equívoco de que, quanto mais habilidoso você se tornar na maternidade, menos dor precisará processar. Muitas vezes se dá o contrário, ao menos por um tempo. Quanto mais experiente se tornar na maternidade interior, mais dor será capaz de transmutar em você mesmo. Este é um sinal de progresso, mas é fácil confundi-lo com um revés. O progresso é que você é forte o suficiente para curar níveis de trauma cada vez mais profundos e acessar as energias mais altas e sutis que se torna capaz de encarnar à medida que você emerge de cada descida.


Quanto mais sua criança interna confia em sua mãe interior, menos tempo e esforço são necessários para processar a dor e transformá-la.


A mãe interna muda de uma duplicata de nossa mãe externa com suas falhas e limitações para uma mãe que pode atender com precisão as nossas necessidades internas. A mãe interior é uma estrutura dentro de nós que pode nos manter em segurança, não importa o que está acontecendo no exterior. Todos os sentimentos são permitidos, nenhuma experiência é rejeitada. Isso é liberdade.


Esta mãe interna é construída de forma incremental, um pequeno passo de cada vez, à medida que as antigas estruturas - patriarcais e limitantes - desaparecem. À medida que cultivamos nossa mãe interior, começamos a sentir uma segurança profunda para aumentar nossa grandeza. Começamos a nos conhecer como células em um vasto corpo de amor, morrendo constantemente e renascendo em nosso sofrimento e alegria mais profundos, mas sempre realizada em um vasto e eterno abraço do além.


"O amor me disse, não há nada que não sou eu. Fique em silêncio." Rumi.


À medida que nos sentimos como nossa própria fonte transbordante, abundante, nos tornamos a principal fonte de nosso próprio prazer. Paramos de ver nossos parceiros românticos como a principal fonte. Nossos parceiros se tornam espelhos para o parceiro místico interno - o interior amado - que é o poder superior dentro de nós.


Se a mãe interna é forte o suficiente, em certo ponto, uma energia masculina despertada pode surgir.


Tanto os homens como as mulheres tem todas as energias - masculina e feminina - dentro deles. Quando homens e mulheres curam feridas de sua mãe, tornam-se mais integrados e sofisticados e podem se encontrar nos relacionamentos. Tem uma maior capacidade de profundidade; para ver e se relacionar profundamente.


Uma energia masculina despertada pode surgir dentro de nós (homem ou mulher) à medida que nos tornamos mais habilidosos na maternidade interior. Isso pode acontecer uma vez que o nível de educação interna e a permissão para ser real são fortes o suficiente e, visivelmente, sabemos que temos um espaço interno incondicionalmente seguro para desmoronar quando necessário.


Esta 'energia masculina desperta' surge à medida que nos tornamos capazes de integrar nossas descidas no buraco negro. Esta energia é alerta, calma, espaçosa e amorosa. Essa energia masculina é como um raio laser: preciso, comprometido com a ação sem solução que vem de um lugar de serviço mais alto, com total integridade e compromisso inabalável.


Experimente essa energia masculina como a energia de uma águia - ela tem uma clareza profunda e uma perspectiva mais alta que lhe permite tomar uma ação rápida e precisa no momento certo. Há uma energia de "está feito" e o sucesso está assegurado, não de um lugar arrogante, mas de um lugar de imenso amor e direção clara. A energia não é desperdiçada ou vazada. Esta energia masculina é espaçosa o suficiente para suportar a necessidade de cair periodicamente na energia desconhecida, indomável e criativa do feminino e então concentrar essa energia em ações e formas concretas.


Uma das maneiras pelas quais podemos experimentar essa integração é que a necessidade de um profundo descanso e a necessidade de ação maciça já não estão em oposição: em vez disso, elas começam a se apoiar mutuamente em um fluxo confiável. Pode parecer que ordem e caos começam a coexistir dentro de você em perfeita harmonia.


As profundidades seguras da mãe interna e as alturas de alerta do masculino despertado formam um eixo vertical que o apoia na sua capacidade de manifestar a sabedoria inocente do seu ser real, autêntico no mundo físico.


Nós nos tornamos mais espaçosos em nossos relacionamentos românticos com maior capacidade de vulnerabilidade profunda e fronteiras firmes. A tendência de colapsar de forma reativa em contração, julgamento ou retenção diminui. Ao longo do tempo, nos tornamos vastos o suficiente para encarnar um amor que pode conter múltiplas perspectivas, sem se abandonar ou a outra pessoa, fora da defesa da ferida.


Nós nos tornamos corajosos, até mesmo ousados, com uma integridade constante e profunda, permitindo nos conectar de maneiras mais inovadoras e criativas. Nós podemos ficar nus um com o outro de um lugar de honestidade profunda e segurança interna, ao invés do padrão de apego baseado em trauma.


A partir deste nível, as deficiências de nossos parceiros já não nos levam a questionar nosso valor. Podemos sentir a ferida o suficiente para ativar a narrativa antiga, mas apenas o suficiente para transformá-la ainda mais, para não reencontrá-la. Quando as esperanças românticas estão quebradas, confiamos em nossa capacidade de nos acalmar através de decepções e colher uma emocionante abundância de auto-visão que acentua a nossa união interior com o nosso eu mais profundo.


Nossos relacionamentos começam a vir de um lugar de plenitude e, posteriormente, podemos aprofundar com o outro no que é real, ter espaço para a tensão dos opostos e encarnar esse abraço eterno. Aceitar nosso valor total, potencial e já não precisar equiparar a uma solidão isolada, mas a um aumento de unidade.


A intimidade mais poderosa é quando nenhuma emoção ou experiência pode separá-lo de você mesmo. Essa é a verdadeira segurança e a verdadeira liberdade. Este é o presente que nos espera na ferida da mãe. O que oferecemos ao mundo e aos nossos parceiros desse lugar de intimidade interior é o maior presente.


"Você pensou que a união era um caminho que você poderia decidir seguir. Mas a alma segue as coisas rejeitadas e quase esquecidas. Seu verdadeiro guia bebe de um fluxo sem barulho." Rumi.


Fonte: https://womboflight.com/intimacy-the-inner-mother-and-the-awakened-masculine


Tradução por Aline Keny

Foto por Robério Júnior