Buscar

VOCÊ NÃO É O SUFICIENTE

VOCÊ NÃO É O SUFICIENTE


Você já se sentiu assim? Que não é o suficiente? Que apesar de tudo o que faz de bom e de melhor, a vida e as pessoas não respondem na mesma medida?


E quando essa crença está tão enraizada no inconsciente que continua reverberando vida após vida e de certa forma sabotando seu agora?


Talvez você “não seja o suficiente” e por isso “mereça” ser traída pelo parceiro afetivo.


Talvez você “não seja bom o suficiente” e por isso “mereça” a rejeição da sua família.


Talvez você “não seja bom o suficiente” e por isso “não mereça” a tão sonhada ascensão profissional.


Talvez um diploma “não seja o suficiente” e você precise de outros “títulos” para estar pronto ao desempenho profissional que deseja exercer.


Talvez você “não seja o suficiente” e “não mereça” ter amigos leais e verdadeiros.


Talvez você “não seja o suficiente” e precise de relações que te sugam, para ao menos ter alguém por perto.


Talvez você “não seja o suficiente” e precise bancar suas relações por meio do dinheiro.


Já parou para pensar que tudo isso é um buraco sem fundo? Que é muito pesado?


Há uma frase do poeta persa Rumi que diz: “A ferida é o lugar onde a luz entra em você”. Então, esteja consciente da ferida e deixe a luz entrar...


A crença “você não é o suficiente” está intimamente ligada à crença de “não merecimento” e são crenças equivocadas que ainda estão latentes e reverberam dentro de muitos de nós (seja à nível de inconsciente pessoal ou coletivo), visto que suas raízes estão em nossa carência afetiva, na busca por amor e afeto fora de nós. Bem recentemente a crença “você não é o suficiente” me veio à consciência e descobri que fui movida por este pensamento equivocado, de forma inconsciente, por muitas e muitas vidas - consciente agora de que ainda há traços dela em mim. Consciência é o caminho de todas as respostas, bem como o caminho de toda autocura.


Tente silenciar seus pensamentos e as emoções mais sutis irão aflorar. Além de todas as reflexões que as perguntas acima possam provocar, é bom estarmos conscientes de que a responsabilidade por defender a nossa luz é nossa. Procure estar perto de quem lhe respeita e o incentiva a melhorar, se afaste de quem lhe puxa para baixo e não ajuda a sua luz brilhar.


Uma das maiores lições de autoamor e autorrespeito envolve eleger as relações que realmente nutrem, as relações que fazem questão de você, as relações que lhe inspiram, que lhe apoiam e espelham a sua luz. Observe suas companhias, elas lhe nutrem ou lhe sugam? Como elas fazem você se sentir? Suas relações lhe ajudam a realizar seus sonhos?


Agora que jogamos luz para interagir com esta crença: “você não é o suficiente”, deixo como um alerta ou mesmo um lembrete de que este texto não é um convite à acomodação, omissão ou passividade, muito pelo contrário, pois temos o dever de nos desenvolver moral e intelectualmente, não nos cabe estacionar à beira do caminho - tendo em vista que este caminho aqui na Terra é justo para nossa evolução material e espiritual.


Mesmo assim, não precisamos ser perfeitos, quem cobra perfeição é sombra - temos nossos ritmos internos de aprendizado, importante respeitar nossos próprios limites. Podemos aprender a estabelecer limites saudáveis, eles são essenciais. Não precisamos “aguentar” dor e sofrimento, porque como seres divinos (filhos da mesma fonte de luz), somos merecedores de toda iluminação, respeito e amor que o universo tem em abundância a nos ofertar.


Vamos seguindo, neste desafiador estudo sobre autoconhecimento e autoamor... em muitas vezes se faz necessário recuar para preservar a nossa luz. Saiba que mesmo ainda “imperfeitos”, nós “já somos o suficiente”.


Com amor,


Sensei Aline Keny


Seja bem-vindo(a). Aqui é um cantinho de amor e autoconhecimento! Caso sinta em seu coração, você é livre para compartilhar este texto. Assim sendo, não se esqueça de mantê-lo íntegro, incluindo o nome da autora e o link do site de origem. Namastê!


©2018-2021. Todos os direitos reservados a Sintonia Kuan Yin Terapias Integrativas – Brasília (DF).